# 145



“frequência
de tanto andar sem me mover perdi o eixo do mundo. sentada numa caixa às cores onde tudo cabe. se a abrir saem sons de perto e de longe. uníssono desacerto.”

Texto: Sónia Oliveira
Foto: Teresa Afonso

Sem comentários:

Enviar um comentário