# 3379



Envolvem-me as memórias que me fazem resistir...

Texto: Catarina Vale
Fotografia: Elsa Arrais

# 3378




Onde tens estado tu, que nunca mais te vi?
Eu estou aqui, perdido no tempo.

Texto: Maria João Faísca
Fotografia: Francisco Válga

# 3377




À FLOR DA PELE

Um amanhecer à flor da pele
uma flor do avesso
não é vida fresca, começo,
é a vida tal como é:
fim e recomeço.

Texto: Maria Ervilha
Fotografia: Diana R. Castro

# 3376



Na escuridão da Noite vemos tudo com enorme clareza.

Texto: Inês Henriques
Fotografia: Frankie Boy

# 3375



Nem me viram. Passaram a rir, provavelmente a caminho de uma sala quente onde beberão chá. Passaram e nem me viram. Também eu, já ri e bebi chá.

Texto: Inês Henriques
Fotografia: Maria Jorge Soares

# 3374



Será que irei mais ou muito para além da mera finitude física?

Texto: Vítor Vieira
Fotografia: Rah Pha

# 3373




Vivo a promiscuidade das palavras. As quero todas em mim e ao mesmo tempo…

Texto: Samantha Buglione
Fotografia: Ana França

# 3372



Isto não é uma imagem de mim. É um segredo.

Texto: Mónia Camacho
Fotografia: Carla de Sousa

# 3371



Sereno na gentileza do meu sentir...

Texto: Catarina Vale
Fotografia: Vanda Cristina

# 3370



tenha eu ânimo
para percorrer tudo o que anseio.

tenha eu força
para cravar os meus passos pelo caminho
e paz para o apreciar.

tenha eu um segundo par de olhos
que me acompanhe e descubra o que se esconde de mim.

tenha eu tempo
para te dar a mão, cruzar o teu olhar e perder-me no teu sorriso.

tenha eu vagar
para sentir o vento e a luz do sol a depositarem-se em nós,
enquanto deambulamos pela estrada sem destino.

tenha eu ânimo.
tenha eu força.
tenha eu tempo.

Texto: Andreia Peixoto
Fotografia: Teresa Marques dos Santos

# 3369



Algumas gotas de chuva, só algumas, tocam-me e inundam-me de saudades.

Texto: Sandra Francisco
Fotografia: Fernando Silva

# 3368



É nos teus olhos que o mundo acontece.

Texto: Fernando Alagoa
Fotografia: João Oliveira

# 3367



NUA
Deita-te comigo
à luz da lua.
Despe-te de ti
veste-me a mim, de flor,
sabes-me de cor.
Sou tua.

Texto: Maria Ervilha
Fotografia: Teresa David

# 3366



Me erizas la piel. Te quiero.

Texto e fotografia: Teresa Maria dos Santos

# 3365



Se me despires, não esqueças de ouvir os murmúrios da floresta.
Sou eu.
Não tu.
O amor e os murmúrios ouvem-se ao contrário.

Texto: Ana Miguel Socorro
Fotografia: Frankie Boy

# 3364



Um dia cortei as cordas, soltei amarras e parti. Nunca mais voltei. Ainda que ninguém saiba que fui.

Texto: Inês Henriques
Fotografia: Ana Gilbert

# 3363








Como conduzes
o teu tempo?

Seduzes ou deixas-te seduzir
pela ideia de que o estás a conduzir?

Não importa como o fazes
a pé, de bicicleta, de carro ou avião
de comboio, de trotineta
ou apenas sentado
numa cadeira quieta.

Como conduzes o teu tempo?
Os teus cabelos brancos dirão
se seguiste com ele de mão dada
ou não.

Texto: Maria Ervilha
Fotografias: Sílvia Bernardino

# 3362




Desejo tanto encontrar o teu sabor, que me perco a sentir todos os outros...

Texto: Catarina Vale
Fotografia: Vanda Cristina

# 3361



Não me deixes levantar as madrugadas sozinha
podemos engolir o orvalho juntos, arredondar o escuro
empurrar muros
e quem sabe, cair em lágrimas

Texto: Vera Carvalho
Vídeo: Maria Augusta

# 3360




Ah se soubessem a Alegria que sinto…Tentariam roubá-la. Não sabendo que a têm guardada numa gaveta.

Texto: Inês Henriques
Fotografia: Cristina Vicente

# 3359




O homem da voz metálica. O homem da voz metálica ouvia-se a falar muito alto. O homem da voz metálica ouvia-se a falar muito alto e estava a dar comigo em doido. O homem da voz metálica ouvia-se a falar muito alto e estava a dar comigo em doido, quando finalmente abri o olho esquerdo . O homem da voz metálica ouvia-se a falar muito alto e estava a dar comigo em doido, quando finalmente abri o olho esquerdo e percebi que estivera a sonhar....

Texto: Vítor Vieira
Fotografia: Ana França

# 3358




Um dia cortei as cordas, soltei amarras e parti. Nunca mais voltei. Ainda que ninguém saiba que fui.

Texto: Inês Henriques
Fotografia: Francisco Válga

# 3357




Ivã

Acordo cedo. Espreguiço, lavo, visto, saio.
A paisagem que desliza pela janela do assento que escolhi, desrespeitando à grande o lugar imposto no bilhete, voa e leva-me ao abraço dele. Choramos, rimos, e descemos novas paisagens esvoaçantes e nervosas. O coração não encontra um ritmo capaz de se suportar, a garganta aperta, as pernas tremem.
Boca fora, vamos articulando disparates. Disparates daqueles que, depois de tantos anos verbalizados em intimidades várias, nos fazem querer, desesperadamente, precisar de estar juntos neste dia.
Chegamos à Quinta. Ameaça de vómito, lágrimas a descompasso, ao quase-ritmo do coração que, entretanto, lá encontrou forma de garantir que o resto do corpo se aguenta à missão. Caralho. Estamos mesmo aqui para isto? Dá-me a mão, o braço... dá-me o teu corpo, que o meu não está a saber fazer isto.
Percorremos o caminho: laranjeiras à esquerda, cultivo à direita. Tudo certo. Nada no sítio. Nunca mais nada será igual aqui em baixo.

Texto: Vilma Duarte
Fotografia: Sílvia Bernardino

# 3356




Entre mim, à minha frente e atrás, há alguém que me reconhece em todos os lados. Sussurra-me ao ouvido as incongruências da intimidade.

Texto: Ana Miguel Socorro
Fotografia: Peter A. Gilbert

# 3355




Algumas gotas de chuva, só algumas, tocam-me e inundam-me de saudades.

Texto: Sandra Francisco
Fotografia: Teresa David

# 3354




De olhos fechados lembro de um sonho que já foi criança.

Texto: Lorena Kim Richter
Fotografia: Mariana Costa

# 3353




Dentro de mim permanece a minha liberdade,
Intensa e caótica.
Em ebulição permanente,
À procura de uma janela.

Texto: Paulo Kellerman
Fotografia: Carla de Sousa

# 3352



Dizes que o teu corpo é como um museu onde guardas a tua vida.
Porquê guardar?

Texto: Paulo Kellerman
Fotografia: Sónia Silva

# 3349



Perfume de flor
beleza que envelhece
sem amargura, ressentimento ou dor.
É vida que se viveu
flor que se cheirou
propósito que não se esquece.
É perfume de flor
que nunca esmorece.

Texto: Maria Ervilha
Fotografia: Cristina Vicente


# 3347




há uma inquietação imprecisa na espera de ti
um desassossego que me cativa e encanta
e apazigua
pelo enlaçado de bulício interior e murmúrio de mar

Texto: Isabel Pires
Fotografia: João Oliveira

# 3346



Eu não tenho saudades das ruas,
Tenho saudades tuas nas ruas.

Texto: Mariana Costa
Fotografia: Mário Teixeira

# 3345



Há chuva dentro de nós. Na água que o mundo tem há uma réstia que nos pertence. Escondida na fonte de um coração amolecido. No brilho dos olhos. Nas palavras de uma voz que ri e que chora. Que ela caia como veludo. Que dilua a matéria que nos consome. Que nos traga alívio. É por isso que a chuva vem. É para isso que a chuva serve.

Texto: Ana Miguel Socorro
Fotografia: Mariana Costa

# 3344



O dia jorrou as suas virtudes e incongruências matinais. Esperavam-se alegria e vontades; os casos e os acasos. Um regular dia. No seu costumeiro modo de jorrar vida.

Texto: Ana Miguel Socorro
Fotografia: Teresa David

# 3342



A tua boca faz um arco de dúvida que me excita.

Texto: Mónia Camacho
Fotografia: Ana França

# 3341




Até a alma mais livre precisa de um "colo" para se prender.

Texto: Jorge Gomes Pereira
Fotografia: João Vasco

# 3340



Vivo a promiscuidade das palavras. As quero todas em mim e ao mesmo tempo…

Texto: Samantha Buglione
Fotografia: Ana Gilbert

# 3339



Nas cumplicidades, os risos acontecem como se o mundo estivesse à espera de os escutar...

Texto: Catarina Vale
Fotografia: Selma Preciosa

# 3337



Confiamos profundamente, até ao instante que a única verdade nos obriga a respirar.

Texto: Catarina Vale
Fotografia: Ana Isa

# 3336



A vida corre com pressa do outro lado da janela. E eu tento procurar a tranquilidade que encontrava sempre em cada sorriso teu.

Texto: Mariana Costa
Fotografia: Elsa Arrais

# 3335



Quero ir contigo aos sítios onde foste sem mim.

Texto: Fernando Silva
Fotografia: Catarina Casaca

# 3334




Me toca de vagar pela pele toda e com a retina, num tocar ser e ver em livre delimites de poder…

Texto: Samantha Buglione
Fotografia: Diana R. Castro