# 997



"Andamos demasiado ocupados para nos deixarmos afectar por catástrofes exteriores."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Rita Fernandes

# 996



"Passamos por vidas descarriladas sem nos importarmos."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Sónia Silva
 

# 995



"Mas como pensar em recordações felizes quando a morte ronda por perto?"

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Ana Gilbert

# 994



"Mas também, onde estava escrito que o destino final da humanidade era a felicidade?"

Texto: A. M. Catarino
Foto: Maria João Alves

# 992



"O que vês quando olhas para um destroço? A prova de um fracasso ou um símbolo de resistência e sobrevivência?"

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Teresa Maria dos Santos

# 991




“Este é o meu corpo.
derramado neste leito à espera do teu.
Toma-o e bebe-o,
é tudo por ti.

Como se o meu corpo se fizesse do teu. E faz.”

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Sílvia Bernardino

# 990



"Nunca poderás caminhar sozinho. Eu serei sempre a tua alma."

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Ana Marques

# 989



"E o céu, descobre, é o momento em que fomos mais felizes prolongado por toda a eternidade."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Cláudia Andrade

# 988



"Não há êxtase maior que pairar subitamente no vácuo. Eu verdadeiramente só."

Texto: Francisco Resende
Foto: Teresa Marques dos Santos

# 987



“Amar é não ter saudades é matá-las juntos.”

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Maria João Faísca

# 986



"Há sempre um lugar mais dentro do nosso coração do que todos os outros."

Texto: A. M. Catarino
Foto: Rosa Paixão

# 983



"Contamos com a aleatoriedade da existência para que nos não calhe em sorte a fragilidade."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Ana Gilbert 

# 982



"Foram tantas as ausências
que tudo em mim
ficou preenchido pelo vazio."

Texto: Helena Silva
Foto: Inês Sarzedas 

# 981



"Agarro as mãos e lanço-me. A imensidão do precipício mede-se no tempo que dura percorrer o vazio."

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Rita Fernandes

# 980



“Há coisas de que é impossível fugir; costumam estar dentro de nós.”

Texto: Mónia Camacho
Foto: Sílvia Bernardino

# 979



"Gosto da beleza.
Não pelo que é em si própria, mas por tudo o que acarreta: a cobiça, a culpa, a mentira, entre um sem número de outros atributos que me empanturram a barriga de alto a baixo."

Texto: A. M. Catarino
Foto: Inês Sarzedas

# 978



"Esfreguei genialmente a lamparina. O génio senhor dos desejos desejou-me uma vida melhor, por três vezes. Era desejável que assim acontecesse."

Texto: Simão Marques
Foto: Vilma Serrano

# 977



"Entre as transitividades e intransitividades dos pretéritos perfeitos, imperfeitos ou mais que perfeitos, e os indicativos do presente efémero, vão-se perdendo as possibilidades de futuro, sejam simples, sejam condicionais."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Ana Gilbert

# 976






"A felicidade é uma emoção ou uma sensação? Perguntou-me ela antes de começar a chorar."

Texto: Paulo Kellerman
Fotos: Maria João Alves

# 975



“Abriu o envelope e não se conteve. Chorou, riu, saltou de contente, foi um libertar de emoções. Estava ali aquilo que ela mais queria. Aquilo com que sonhava todos os dias, todas as noites. Estava ali a vida, a sua. Estava ali, agora presa nos seus dedos, agarrada às suas mãos e ela sabia que não a podia deixar ir. Estava ali, era dela e ela não se conteve. Sim, a vida é isso mesmo, uma mão cheia de incontimentos.”

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Elisabete Antunes

# 974



"Deita-te comigo e olhemos o céu juntos. Pode ser que o tempo não passe, pode ser que o mundo não dê pela nossa falta."

Texto: Miguel Clemente
Foto: Maria João Faísca

# 973



"Há portas que quando se fecham abrem o mundo inteiro."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Inês Sarzedas

# 972



"Vês-me quando te olhas ao espelho?"

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Ana Luísa de Melo

# 971



"Atira fora os sonhos, os desejos, os momentos, os sorrisos... atira fora a alma. E fecha a janela.
Volta a colocar a máscara. Refugia-se nela, usa-a como escudo para ser tudo o que desejar; menos ela própria.
Só assim a dor vai diminuindo, vai-se esfumando… até finalmente desaparecer.
E vai-se fechando no seu próprio mundo [cada vez mais e mais e mais] até se esquecer de quem era."

Texto: Helena Silva
Foto: Rita Fernandes

# 970



"Já nem me lembro do som do silêncio. O ruído dos meus pensamentos é ensurdecedor."

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Carla de Sousa

# 969



“Dizem que há um fio invisível que une as pessoas fadadas a encontrar-se. Provérbio chinês, ou coisa assim.”

Texto: Mónia Camacho
Foto: Sílvia Bernardino

# 968



"Vozes. Narrativas e metanarrativas. Relatos. Ângulos. Interpretações. Sons que se transformam no ruído de um mundo onde muita coisa é e nada parece ser inteiramente."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Ana Gilbert

# 967



"Hoje vi o arco-íris e imaginei o teu sorriso dançando entre o arco azul e o lilás."

Texto: José Alberto Vasco
Foto: Elisabete Antunes

# 966



"Observa as palmas das mãos. Pesa-as com os olhos, como se fossem pratos duma balança.
Uma mão boa, uma mão má.
Qual delas pende mais para baixo neste instante?"

Texto: A. M. Catarino
Foto: Sónia Silva

# 965



"Não lhe custava perdê-lo. Custava-lhe apenas perder as memórias de si que apenas ele tinha."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Mónica Brandão

# 964



"Há sítios onde parece que é sempre Inverno. Talvez a minha vida seja um desses."

Texto: Mónia Camacho
Foto: Maria João Alves

# 961



"Antes ilha do que unida a ti nesta península esquisita!"

Texto: Mónia Camacho
Foto: Maria João Faísca

# 960



“Quando o vejo, vejo-me a mim. Quando o ouço, ouço-me a mim. Quando penso, sei que ele está a pensar o mesmo. Quase já não precisamos de palavras.”

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Sílvia Bernardino

# 959



"Não te demores, o meu abraço precisa do teu."

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Ana Moderno

# 958



"O vento acalmou. Parece-se agora com um suspiro, intercalado nos pingos lânguidos da chuva."

Texto: Clara Vales
Foto: Tânia João

# 957



"Não te disse adeus. É uma palavra proibida quando a esperança, que ainda me faz acelerar o coração, está sempre gravada no meu olhar. Não te virei as costas. Afastámo-nos na esquina da vida e nos degraus dos problemas."

Texto: Helena Simão
Foto: Ana Marques

# 956



"O futuro não é o que poderia ter sido. Mas ainda está a tempo de ser uma coisa diferente daquilo que é."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Ana Gilbert

# 955



"A noite é o lugar onde se desenrolam os sonhos, como novelos que estiveram arrecadados durante o dia e se deslindam no conforto da escuridão, como linhas duma esferográfica a escrever uma trégua na natureza humana.
O dia não tem nenhum bolso onde guardar um cessar-fogo.
A manhã é demasiado cedo, a tarde demasiado curta."

Texto: A. M. Catarino
Foto: Elisabete Antunes

# 954



"Desperto!
Abro os olhos ainda que não me apeteça sair desta penumbra.
Vens!
Sinto-te! Deixo-te entrar.
Lentamente penetras-me aquecendo o corpo frio da noite. Acorda-me o teu brilho e como sabe bem mais um dia de sol."

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Inês Sarzedas

# 953



"Afinal há coisas que são perfeitas por natureza e só precisam de um lugar no coração para nos habitarem para sempre."

Texto: Cláudia Rocha
Foto: Teresa Bret Afonso

# 952



"Entre capas e contracapas escreve-se de amor."

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Carina Martinho Coelho

# 951



"A Pele não me faz falta. Esqueço-me dela e de mim. Eis que ao passar-me pelas mãos na sua temperatura, na sua tonalidade inconfundível, na textura que os dedos insistem ler, alguma coisa se altera. Uma espécie de alvorada. Quando conheço a Pele dói-me qualquer toque, de tanto me ter faltado. Dores em cada centímetro."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Maria João Alves