# 1502



"Gosto de dar a mão ao tempo. Permitir que me conduza, sentir-me intemporal."

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Teresa Maria dos Santos

# 1501



"A barca vai longe
O rio é turvo
Os peixes são muitos
O rio para
O rio escuta
Lodo e lama

O remo firma
O barco corre
De costas

Pequeno passarinho
Pousa em minha janela
E olha
E mira
Rechaço

Não traz folha de oliveira
Nem terra
Traz água, amigo
Traz mar

E voa"

Texto: Lorena Kim Richter
Foto: Ana Gilbert

# 1500



"A cada segundo que passa mais horas tenho para sonhar. Ou talvez abraçar-te."

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Sílvia Bernardino

# 1499



"Fazes parte de mim como um órgão ou um membro ou até mesmo a pele."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Maria João Alves

# 1498



"Escondida debaixo deste olhar, vê-se ao espelho todas as manhãs... Analisa, por momentos, se esta será a máscara certa para usar naquele dia... E decide, mas nem sempre acerta. Há tantas horas num só dia..."

Texto: Sandrine Cordeiro
Foto: Tânia João

# 1497



"Todos temos arestas e partes moles que fazem doer."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Selma Preciosa

# 1496



"Embrulhas-me no teu abraço que de conforto, num ápice, se transforma em excitação."

Texto: Catarina Vale
Foto: Elisabete Antunes

# 1495



"A cada segundo que passa mais horas tenho para sonhar. Ou talvez abraçar-te."

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Luís Miguel Grou

# 1494



"Rubro o ocaso. Intenso.
Olha sem ver. Sente. A brisa é suave e impregnada de maresia.
Não precisa saber. Estão ali. São como gaivotas.
Asas. Levantam voo.
Os sonhos. Os pensamentos. As palavras.
É ela, além, a menina dos pássaros."

Texto e foto: Cristina Henriques

# 1493



"Quando as mãos sonham o coração acredita."

Texto: Catarina Vale
Foto: Frankie Boy

# 1492



"Perguntaste-me o que faço da vida para viver. Respondi que trato das almas dos homens. Ris! E tu que fazes? Sou fotógrafo! Levanto o sobrolho. Para que raio me serve um fotógrafo?!"

Texto: Ophélia Pessoa
Foto: Carla de Sousa

# 1491



"Tenho uma gaveta cheia de sonhos a que não sei dar qualquer uso."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Vilma Serrano

# 1490



"No teu olhar há música. E eu danço."

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Teresa Maria dos Santos

# 1489



“Suspensa, toco o vento, pressinto o vazio do espaço, disponho a trajetória da queda livre imaginada, mas livre de quê, se tenho medo da morte… e mais ainda de viver.”

Texto: Ana Gilbert
Foto: Chico Vilaça

# 1488



"Competição feroz entre mim e os fantasmas. A inveja, por exemplo, cresce primária. Árida. Fulcral. Tanto mais insidiosa quanto mais frágil galopo nessa corrida demente."

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Sónia Silva

# 1487



" - Mãe... mãe... mãe, deixa-me fotografar-te?
- Mas filho, tu nem máquina tens!
- Mas tenho os meus olhos!"

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Fátima Pires

# 1486



"Chamar-te Cerejinha,
trincar-te os dedos dos pés,
devorar-te de prazeres."

Texto: José Alberto Vasco
Foto: Sílvia Bernardino

# 1485



"O lado de dentro dos olhos sabe de coisas que o lado de fora não consegue ver."

Texto: A. M. Catarino
Foto: Célia Guerra

# 1484



"Olhava pela janela à procura de alguém que a visse a si própria como uma janela."

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Carina Martinho Coelho

# 1483



"Desprendeste-te de mim como as folhas das árvores. Assim, de mansinho, soltaste-te e foste. Seguiste por um destino que não procuravas, mas que fazia sentido para ti. Olhaste para esse horizonte longínquo e foste, sem olhar para trás. Perdi-te quando o teu coração ganhou o mundo."

Texto: Helena Simão
Foto: Cristina Henriques

# 1482



"Por mais farpas que me lances, por mais armas que uses para me ferir, tenho a força do meu olhar sempre atento a cada ataque. Os heróis usam máscaras para se esconder... Eu uso a minha para me revelar."

Texto: Sandrine Cordeiro
Foto: Tânia João

# 1481



"Sou o corpo suspenso
que oscila entre
as preces no bordel
e as ereções no convento"

Texto: Rosa Boto Caiado
Foto: Ana Gilbert

# 1480



"Um dos maiores erros é achar que basta realizar os sonhos para ser feliz."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Luís Cunha Louro

# 1479



"O passado ganha forma neste segmento de tempo, materializa‑se à frente dos meus olhos, como se agora as aves agitassem as asas e todo o pó suspenso, por anos e anos, nas penas e plumas se espalhasse diante da minha face, como partículas iguais a telas de cinema onde se projetam, em simultâneo, frações de um tempo muito antigo."

Texto: Joana M. Lopes
Foto: Maria João Alves

# 1478



"Do teu abraço, arregaço-me e delicio-me nos teus braços."

Texto: Sandrine Cordeiro
Foto: Carla de Sousa

# 1477



"Avança. Carrega espectros, agora sombrios, que nunca deveria ter permitido ver…"

Texto: Catarina Vale
Foto: Peter A. Gilbert

# 1476



"Importa o destino se cada passo é dado com liberdade?"

Texto: Paulo Kellerman
Foto: Teresa Maria dos Santos

# 1475



"O tempo não voa, o tempo esconde-se atrás das árvores para não ser visto."

Texto: Cláudia Rocha
Foto: Teresa Bret Afonso

# 1472



"É no silêncio que os milagres acontecem."

Texto: Mónia Camacho
Foto: Cristina Henriques

# 1471



"E o que queria ela? Naquela altura não saberia responder, mas no fundo, era apenas viver.”

Texto: Sandrine Cordeiro
Foto: Célia Guerra

# 1470



"Fervilho por sangue que corre em caminhos fechados de corpos perdidos em lugares comuns."

Texto: Catarina Vale
Foto: Frankie Boy

# 1469



"Carregamos toda a nossa existência no incerto de decisões nascidas no medo."

Texto: Catarina Vale
Foto: Maria João Alves

# 1468



“Não sei como dizer-te isto... mas adoro o que temos, não tendo. Gostaria de encontrar forma indolor de te dizer que tudo isto é perfeito.”

Texto: Clara Vales
Foto: Cristiano Justino

# 1467



"Repara no mapa que percorre o meu rosto, de todas as possibilidades do meu ser, escolheste o único caminho que te impede de o viver."

Texto: Sandrine Cordeiro
Foto: Tânia João

# 1466



"Mais vale perder um minuto na vida do que dois."

Texto: Simão Marques
Foto: Vilma Serrano

# 1461



"Caminha. Percorre as ruas esquecidas duvidando se são reais. Portas que acenam, simpatia de escárnio, ludibriando a certeza de alguma vez ter transposto uma delas.
Abranda. Perscruta sinais que guiem os passos que não sabe se dá. Janelas, de luz escondida, contemplam o corpo vazio cobiçando os traços perfeitos e relembram as vezes que o viram passar.
Pará. Ignora as vozes, elimina o ruído, balançando nos sons que remanescem no ar. Risos, murmúrios, suspiros, palavras dispersas compõem melodias inaudíveis aos olhares indiscretos que invejam a insanidade de quem dança, ousadamente, ao som do que está a sentir.
Chora. O rosto escondido afagado nas mãos que se penitenciam pelos instantes do toque que as fizeram sonhar. Quando as mãos sonham o coração acredita, e delega no sangue que espalhe na pele o fervor de um ímpeto que o faz renascer.
Saboreia. O sal de uma lágrima que encontra o sorriso da boca silente que recusa gritar. O corpo aprisiona o que mais se faz ouvir, criando uma névoa que se aloja na mente fundindo-se na lucidez.
E ri. O cabelo solto encantando a luz que intensifica cores no desejo de a querer abraçar. É nos abraços de luz que a coragem comanda os membros que se submetem a ir no anseio de ficar.
Inspira. A busca do cheiro dos dias perdidos isentos da calma do tempo banal.
Avança. Carrega espectros, agora sombrios, que nunca deveria ter permitido ver… Recua. A incerteza da verdade que faz hesitar… Pesar por ir, pesar por estar…
O arrependimento é a pior forma de loucura?"

Texto: Catarina Vale
Foto: Maria João Alves

# 1460



"Não pertencia a sítio nenhum e talvez isso o deixasse constantemente a meio caminho de todos os lugares."

Texto: Elsa Margarida Rodrigues
Foto: Sara Fabião

# 1459



"Ainda desejo este amor devoluto, por isso envolvo o teu corpo, como a trepadeira cega que abraça a casa à beira de ruir."

Texto: Rosa Boto Caiado
Foto: Tânia João

# 1458



"Presas numa poesia pessoal as tuas mãos são incapazes de tocar a pele mais próxima."

Texto: Mónia Camacho
Foto: Carla de Sousa

# 1457



"Sou o obstáculo maior. Impotente, ridículo, ante os intransponíveis que ficcionei para mim.

Texto: Andreia Azevedo Moreira
Foto: Sónia Silva

# 1456



"Contento-me com pouco, deslumbro-me com muito."

Texto: Simão Marques
Foto: Frankie Boy

# 1455



"O mapa traçado no meu rosto, não é aquele que vês, sou muitas mais do que aquela que julgas conhecer."

Texto: Sandrine Cordeiro
Foto: Tânia João

# 1454



"Vou roubar o luar, afinal é de prata quando reflete na água."

Texto: Jorge Gomes Pereira
Foto: Ana Gilbert